Corte na arrecadação faz prefeito de Touros demitir todos os comissionados

Voltar para Blog

Corte na arrecadação faz prefeito de Touros demitir todos os comissionados

tourosA crise financeira provocada pela redução nos repasses não atinge apenas o Governo do Estado. Chega também, com muito mais gravidade, aos municípios potiguares. E Touros é um exemplo disso. Sofrendo com redução no Fundo de Participação dos Municípios (FPM), Fundeb e ICMS, o prefeito Ney Leite se viu obrigado a cortar todos os cargos comissionados. Era isso ou ter que penalizar a população com a diminuição de investimentos na saúde, educação e assistência social.

A situação foi tão grave que nem mesmo os que ocupam cargos no primeiro escalão da administração municipal, ou seja, os secretários, foram poupados. Com a saída deles, funcionários efetivos da Prefeitura que tinham experiência como secretários foram promovidos para a condição de chefia. “Se compararmos os meses de Janeiro e outubro de 2013, só no FPM, o município teve uma queda de mais de 70% no repasse, recebemos R$ 500.231,77 no primeiro mês do ano e, agora, apenas R$ 144.849,41, como saldo final, ou seja, menos R$ 350 mil”, justificou Ney Leite ao tratar dos cortes.

Com as exonerações e o corte de contratos, somados às medidas de economia financeira, como a diminuição do expediente, por exemplo, a Prefeitura de Touros espera economizar até R$ 800 mil mensais. “Tinha uma folha salarial bruta de R$ 2,196 milhões e conseguimos reduzi-la para R$ 1,564 milhão”, ressaltou Ney Leite.

É importante lembrar que as dificuldades financeiras do município não são nada recentes, sobretudo, com o aumento das despesas provenientes dos maiores investimentos na saúde, educação e assistência social. “Conseguimos resgatar no início do ano 1.050 alunos para a rede municipal de ensino, contudo, o Fundeb ainda é menor. Recebemos o repasse como se tivéssemos mil alunos a menos”, explicou Ney Leite.

O prefeito exemplificou, também, que hoje existem 15 unidades do Programa Saúde da Família (PSF) em funcionamento. Além disso, os professores recebem o piso nacional do magistério. “Não posso comprometer a Educação de Touros. Não posso retirar dos nossos educadores que passaram quatro anos reivindicando atenção da administração municipal. Eles merecem receber o Piso Nacional, e eu serei justo. Educação e Saúde são prioridade”, ressaltou.

De qualquer forma, a expectativa é que nos próximos meses, a situação melhore com a sensibilização do Governo Federal, pelo menos, com relação ao repasse do FPM. Além disso, deverá haver aumento também no Fundeb. “Vamos aguardar o retorno do Governo Federal. O presidente da Femurn (Federação dos Municípios do RN), Benes Leocádio pediu que o Congresso Nacional vote Proposta de Emenda à Constituição (PEC 39/13) que amplia em 2% os recursos do FPM. Até lá, vamos tomando outras medidas”, lembrou Ney durante o evento. (CM)

Fonte: JH

Compartilhe essa publicação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 3 =

*

Voltar para Blog