Entre os bens declarados por candidatos, muito dinheiro ‘no colchão’

Voltar para Blog

Entre os bens declarados por candidatos, muito dinheiro ‘no colchão’

Além de Dilma, pelo menos outros 16 postulantes aos governos federal e estadual declararam ter altas quantias em casa

A presidente Dilma Rousseff (PT) está longe de ser a única candidata nas eleições deste ano a declarar manter elevadas quantias de dinheiro em casa. Além de Dilma, dois outros candidatos à Presidência e pelo menos 14 candidatos a governos estaduais também informaram o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ao registrarem suas candidaturas, manter dinheiro em espécie. Entre os presidenciáveis, o candidato do PRTB, Levy Fidelix, diz manter R$ 140 mil, e o candidato do PSDC, José Maria Eymael, declarou que ele e a mulher têm R$ 2 mil.

A Justiça Eleitoral ainda não disponibilizou os dados de todos os candidatos ao governo — nove unidades da federação, entre elas Minas Gerais e São Paulo, não tinham qualquer registro revelado até a noite de ontem —, mas um levantamento feito pelo GLOBO nos dados disponíveis até agora mostra que ao menos 14 candidatos a governador também informaram ter dinheiro em espécie.

Montantes de até R$ 650 mil

O que declara maior montante é o candidato ao governo do Acre pelo PSDB, deputado Márcio Bittar, que informa ter R$ 651.900. No Tocantins, o candidato ao governo pelo Solidariedade, Sandoval Cardoso, registrou R$ 460 mil “em poder do declarante”. Em Roraima, o candidato do PSB ao governo, Chico Rodrigues, declarou ter R$ 455 mil em “numerário em cofre particular”. O ex-presidente da Confederação Nacional da Indústria Armando Monteiro (PTB), que disputa o governo de Pernambuco, informou ter R$ 250 mil em seu poder.

O líder do governo no Senado, Eduardo Braga, candidato do PMDB ao governo do Amazonas, declarou ter R$ 140 mil em moeda nacional e R$ 25 mil em moeda estrangeira. Seu concorrente pelo PROS, José Melo, diz ter R$ 220 mil em espécie. Em Santa Catarina, três candidatos ao governo declararam posse de dinheiro em moeda: Claudio Vignatti (PT), com R$ 190 mil, Paulo Bauer (PSDB), com R$ 75 mil, e Janaina Deitos (PPL), com R$ 5 mil.

No Mato Grosso do Sul, o candidato do PMDB, Nelsinho Trad, disse ter R$ 100 mil em espécie e, no Mato Grosso, o senador Pedro Taques (PDT), que concorre ao governo, informou ter R$ 35 mil. Candidato tucano ao governo do Pará, o ex-governador do estado Simão Jatene declarou ter em casa R$ 34 mil e o candidato do PSL ao governo do Rio Grande do Norte, Araken, R$ 21.450. Em Alagoas, Eduardo Mendes (PSDB) disse ter R$ 10 mil em espécie.

Perda de R$ 34 mil

Esse tipo de declaração, no entanto, chama a atenção de economistas, pois implica em perda elevada de ganhos. No caso da presidente Dilma, só nos últimos quatro anos ela abriu mão de receber pelo menos R$ 34 mil em correção. Em 2010, na primeira vez que disputou a Presidência, ela informou ter R$ 113.300 em espécie. Caso tivesse colocado esse montante na poupança, o investimento conservador mais popular no país, teria hoje R$ 147.600 — 30% a mais. Apesar disso, a presidente optou por aumentar o numerário guardado em casa ao longo dos quatro anos de governo e informou agora ter R$ 152 mil em espécie. Segundo sua assessoria, o dinheiro estaria guardado para ser usado em viagens.

Mas, se o valor tivesse sido aplicado em um título corrigido pela taxa básica de juros (Selic), ele teria rendido 44,6% e chegado a R$ 163,9 mil nesse mesmo período. O rendimento poderia ter sido ainda maior em aplicações como o Tesouro Direto, na avaliação do professor de Economia da Universidade de Brasília (UnB) Roberto Piscitelli:

“Guardar o dinheiro em casa é uma opção muito conservadora e não parece ser a forma mais eficiente de usar o recurso”.

Sérgio Bessa, professor de Finanças da FGV no Rio, avalia que declarar dinheiro em espécie em casa, por capricho ou desleixo, abre brecha para interpretações.

“Dinheiro em conta corrente, poupança e aplicação têm extrato. Dinheiro em espécie, não. E ninguém vai lá conferir se tem ou não. No caso da presidente, como o principal executivo não confia no sistema financeiro nacional?”, disse Bessa.

Fonte: O Globo

Compartilhe essa publicação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 − 4 =

*

Voltar para Blog